PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br

 

As Medalhas

 

 
Joia br - 15 de junho de 2016
 

 

Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 valorizam a sustentabilidade e a inovação.

Da redação - Mais de 30% da prata e do bronze utilizados na produção das medalhas de premiação, Olímpica e Paralímpica, são reciclados. O ouro é isento de mercúrio. As fitas das medalhas foram tecidas com 50%, em média, de fios PET reciclados. Além disso, a madeira dos estojos tem certificação FSC (Forest Stewardship Council®), garantia de que vem de áreas com manejo ambiental sustentável e socialmente responsável. Esses foram alguns dos requisitos exigidos pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a confecção de diversos produtos pela Casa da Moeda do Brasil (CMB), fornecedora oficial das competições.

A produção de medalhas Paralímpicas também inova. Elas trazem um dispositivo interno com esferas de aço que emitirão sons metálicos para permitir aos atletas com deficiência visual identificar as medalhas de Ouro, Prata ou Bronze. A intensidade do som varia conforme o metal utilizado. As medalhas ainda trazem, em Braille, a inscrição Rio 2016 Paralympic Games.

Ao todo, foram produzidas 5.130 medalhas de premiação, sendo 2.488 Olímpicas e 2.642 Paralímpicas. O projeto foi desenvolvido em conjunto pelo Comitê Rio 2016 e pela CMB.

A apresentação das medalhas aconteceu nesta terça-feira (14), no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, RJ.

Olímpicas e Paralímpicas

As medalhas de ouro, prata e bronze pesam 500g (aprox.) e são abauladas, com o centro ligeiramente mais alto. Nas bordas, uma gravação a laser permite a identificação da categoria (masculino e feminino) e da modalidade do esporte. Os dois lados das medalhas de premiação Olímpicas (anverso e reverso) são únicos para todas. O anverso tem a imagem padrão da deusa Nike, com projeto artístico do Comitê Rio 2016 e modelagem feita por artistas da CMB. O reverso traz os louros e a marca dos Jogos Rio 2016.

O símbolo Paralímpico ilustra o anverso da respectiva medalha, bem como o nome oficial dos Jogos Paralímpicos e a escrita em Braille. O reverso é composto pela marca dos Jogos Paralímpicos Rio 2016.


Medalhas de Ouro

Foram produzidas 812 medalhas Olímpicas e 877 Paralímpicas de Ouro que contêm 494g de prata e 6g de ouro (99,9% de pureza) em sua composição.

O ouro usado no banho é inteiramente isento de mercúrio e tem sua rastreabilidade controlada por critérios de sustentabilidade, desde a extração até o refino. Também foi verificado o cumprimento das leis ambientais e trabalhistas. A mineradora que forneceu o ouro foi auditada pela CMB e pelo Comitê Rio 2016.

A prata 925 usada nas "medalhas de ouro" é reciclada, proveniente de resíduos de espelhos, de desembaçadores de para-brisas automotivos traseiros (tinta condutiva), de soldas que contêm prata e de chapas de raios-X. A empresa que forneceu a prata também foi auditada pela CMB e pelo Comitê Rio 2016.

Medalhas de Prata

Foram produzidas 812 medalhas Olímpicas e 876 Paralímpicas  que contêm 500g de prata. O peso, sistema de fixação da fita, espessura, bordas e formato são os mesmos das Medalhas de Ouro.

Medalhas de Bronze

Foram produzidas 864 medalhas Olímpicas e 889 Paralímpicas de Bronze que contêm 475g de cobre (97%) e 25g de zinco (3%). Mais de 40% de todo o cobre utilizado na produção é oriundo de resíduos industriais da própria CMB. Em vez de ser descartado, o metal foi fundido e descontaminado na própria empresa para dar origem à liga necessária para a confecção das medalhas de bronze. Todo o processo de reciclagem desenvolvido internamente pela CMB foi verificado e  monitorado pelo Comitê Rio 2016.

O peso, sistema de fixação da fita, espessura, bordas e formato são os mesmos das Medalhas de Ouro.

Acessibilidade

As medalhas Paralímpicas de premiação têm a mesma composição metálica das medalhas Olímpicas, relevo, espessura, bordas e formato. A diferença está no desenho e no dispositivo interno que emite sons metálicos para permitir que atletas com deficiências visuais possam identificá-las.


O dispositivo consiste numa espécie de guizo com esferas de aço, no interior das medalhas, para a emissão de som quando o atleta a balançar. A Medalha de Bronze contém 16 esferas e emite um som menos acentuado. A Medalha de Prata tem 20 esferas e um som um pouco mais acentuado. A Medalha de Ouro tem o maior número de esferas (28) e o som mais forte das três.

Estojos e fitas

Os estojos das medalhas Olímpicas e Paralímpicas têm formato de seixo e foram produzidos com madeira (freijó) certificada FSC e ímã para fechamento. A certificação FSC foi obtida pela Casa da Moeda em fevereiro de 2016 e era uma das exigências do Comitê para todos os seus fornecedores.  O selo é uma garantia da origem do produto, o que significa dizer que a matéria-prima utilizada foi obtida de forma ambientalmente correta, socialmente benéfica e economicamente viável.


O seixo, que dá forma ao estojo, simboliza a semente, em referência à jornada de persistência e desenvolvimento dos atletas. Seixos também aparecem nas medalhas Paralímpicas,, onde formam uma espiral ascendente e infinita, que representa a energia e a evolução constante dos competidores. Combinados, seixos e espiral remetem ao lema Paralímpico “Espírito em movimento”, numa alusão à determinação inesgotável e à superação.

As fitas das medalhas de premiação têm 10 cores e foram produzidas com  50%, em média, de fios PET reciclados. O processo de fabricação inseriu o bordado nas fitas, traço cultural brasileiro. Na fita Olímpica, a cor predominante é o verde. E na Paralímpica, laranja. Todas as fitas são fixadas de forma embutida na medalha e sua resistência ultrapassa os 50kg.

fotos: divulgação / CBM e Rio 2016

© Copyright Joia br = É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, sem prévia autorização

 

 

voltar ao index de notícias