PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br

ENTREVISTA

Walter Roque Baldi Júnior


Agosto / 2007

A embalagem é essencial à boa apresentação de qualquer tipo de produto. Para artigos de luxo como as jóias, ela é  indispensável, pois agrega valor à peça e a torna mais atraente aos olhos do consumidor. Devido a esta importância, conversamos com Walter Roque Baldi Júnior, diretor da maior empresa da América Latina no ramo de embalagens para jóias, a Manufatura de Estojos Baldi, sediada em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Jóia br - Como você analisa o mercado de embalagens para jóias no Brasil?
Walter -
Já há algum tempo, o mercado clama por novidades e diferenciação, e a embalagem está inserida neste contexto. Os fabricantes de jóias, por exigências do mercado, lançam coleções freqüentes e os joalheiros, buscando fidelização e uma maior satisfação de seus clientes, estão cada vez mais atentos e optando por embalagens personalizadas e exclusivas.

Jóia br - Qual é o posicionamento de sua empresa neste novo momento?
Walter - A Baldi se diferencia por sempre buscar atender seus clientes de forma personalizada, desenvolvendo projetos exclusivos de estojos, bandejas, cases e elementos para vitrine, além de possuir uma variedade imensa de produtos de linha, que mesmo assim permitem uma exclusividade, de materiais e detalhes de acabamento.

Jóia br - A concorrência externa representa ameaça?
Walter -
Não vamos negar que é um grande problema, que atinge os mais diversos segmentos da indústria nacional. A política tributária em vigor no Brasil é cruel e penaliza os fabricantes, que por sua vez geram empregos, riquezas e se sentem pressionados pela agressividade dos países asiáticos.
Os produtos europeus não conseguem ser competitivos em função de seus preços extremamente altos. Por outro lado, os fabricantes chineses só produzem em alta escala, sem diferenciação e exclusividade, dificultando qualquer alteração que fuja de seus padrões.
A Baldi, apesar das dificuldades impostas pela concorrência externa, aposta na relação custo/benefício, proporcionando uma maior agilidade de entrega, sem os incômodos e imprevistos de importações, além de acatar pedidos programados, para todo o ano, desobrigando assim seus clientes de manterem estoques altos e dispendiosos, que geram custos e problemas de armazenagem. Temos que ressaltar que a Baldi está preparada para atendê-los com diferenciação e exclusividade, como já mencionamos anteriormente.

Jóia br - Participar dos principais eventos comerciais do setor exige um contínuo desenvolvimento de novos produtos. Como a empresa se prepara para as feiras?
Walter -
Como sempre, estamos atentos às tendências de cores e padronagens, aliando design e qualidade a materiais que, além  inovadores, permitem uma relação preço/visual bastante interessante. O segmento joalheiro e relojoeiro espera novidades e nestas épocas que antecedem feiras, principalmente a Feninjer, nosso departamento de novos produtos busca alternativas que contemplem as necessidades e expectativas dos clientes. Hoje, além de belos produtos, temos que ter a preocupação de apresentar versatilidade, praticidade, design e, logicamente, preço e qualidade, que são nossos grandes diferenciais.

Jóia br - Quais são suas expectativas para os próximos meses?
Walter - Historicamente, o segundo semestre apresenta números bem mais significativos que os do primeiro. Sabemos e sentimos que nosso setor é bombardeado de forma agressiva pelos celulares, linha branca, automóveis e um número infindáveis de produtos que utilizam a mídia como sua maior força de venda, principalmente em épocas festivas. Penso que ainda não encontramos a melhor forma de combatê-los. Mas jamais poderemos nos acomodar, pois fazemos parte de um segmento único, que trabalha com a emoção e o desejo das pessoas e que, apesar  de algumas dificuldades, é insubstituível.


<< Voltar para o índice de entrevistas