PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E OUTROS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS E EVENTOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br

Natureza brasileira e arte

Pepe Torras


Pendente em ouro, diamante e madeirasQuando chegou ao Brasil, em plena efervescência dos anos 60, o catalão Pepe Torras não imaginou que se tornaria especialista na transformação de uma das maiores riquezas brasileiras - a madeira - em jóia. Inspirado e cuidadoso, o artista lida com pequenas aparas de madeiras provenientes de área de reflorestamento e, a partir delas, modela verdadeiras obras de arte.

Anéis, brincos, berloques, colares e pulseiras - peças únicas caracterizadas pela originalidade, plasticidade e também pela sensibilidade de um profissional formado pela Escola de Belas Artes Massana de Barcelona e pela Escola de Artes e Ofícios de Barcelona; numa época em que era comum cruzar com artistas como Salvador Dalí e Antoni Tápies pelos corredores.

A trajetória de criação de Pepe Torras, que acabou por escolher o Brasil como residência, inclui o uso de metais e pedras preciosas, principalmente diamantes e gemas brasileiras, ao lado de materiais tão diversos como cristal, pele de elefante e madeira. Esta última foi surgindo aos poucos como um capítulo à parte na vida do artista. Virou paixão. Fascínio que revela um expressivo processo de amadurecimento.

Anel em ouro 18k, da linha GaudiSuas criações até hoje são inspiradas por imagens da infância e referências das ruas de sua cidade natal. Sua mais nova coleção recria em anéis, pulseiras e pendentes, as grades, portões e formas desenhadas por Gaudí, um dos vários arquitetos que deixaram obras eternas em Barcelona.

Mas não é só o velho continente que inspira esse joalheiro que escolheu os trópicos para viver. Uma de suas coleções de maior sucesso, foi inspirada nos hexagramas do I Ching, o oráculo chinês com mais de cinco mil anos.

Ainda garoto, brincava na marcenaria de um tio e se deixava encantar pelo trabalho com a madeira. O tempo avançou, deixando a lembrança viva e o tato apurado para tratá-la como matéria preciosa. No princípio, Pepe Torras lançava mão de um único tipo de madeira. Era o tempo do jacarandá entrar na composição de jóias. Impressionado com a complexidade da matéria-prima trabalhada, o artista, em seguida, partiu para a combinação de várias outras madeiras num tratamento tipicamente linear. Como quem pinta um quadro ou labuta até encontrar a forma da escultura. Ou como quem rascunha linhas para reuní-las em livro, o artista faz da madeira sua tela, seu papel, seu campo de trabalho. A obra de Pepe Torrastambém é pura arte que não está em estantes e paredes. Singular, aparece ora aqui, vez ali, adornando e tornando cada vez mais especial o ser humano.

Pingente em ouro c/ diamante, com miolo em cerâmica, pronto para ser embebido em perfumeA inquietude em dar novos usos à jóia e aos materiais, o fez também criar a uma coleção de peças em ouro e brilhantes, onde são guardadas pequenas cerâmicas embebidas no perfume favorito de quem as usa, adornando e perfumando ao mesmo tempo. As peças dessa coleção receberam nomes de cidade importantes na carreira do artista como Paris, Rio, Nova York e Barcelona. E, como versatilidade é uma constante nas suas criações, a coleção Bea permite que os miolos dos pendentes sejam trocados, facilitando a combinação da jóia com a roupa ou até mesmo com o estado de espírito de quem a usa.

Sempre trabalhando a madeira brasileira, recentemente Pepe buscou referências na "marqueterie" mourisca e ousou criar com os mosaicos, que garantem eterno movimento às peças. Como cata-ventos, eles seduzem já no primeiro olhar e convidam para uma visita a este especial universo do artista espanhol-brasileiro* que homenageia o Brasil toda vez que toma um pedacinho de madeira para fazê-lo jóia. *Pepe recebeu o título de carioca honorário em 1976



Pulseira e brincos em ouro amarelo, diamantes e madeiras: Jacarandá, Muirapiranga, Roxinho, Arararcanga, Cumaru, Muiracatiara, Pau-Santo

Seu trabalho recebeu diversos títulos e premiações como o Grande Prêmio do Concurso Diamantes Hoje da "De Beers" em 1979 e concurso Diamonds International Awards, em Nova York, nos anos 1985 e 1987 e foi tema de exposições em Londres, Suiça, Portugal, Barcelona, Beirute e nas principais capitais brasileiras ao longo das últimas três décadas.

"O trabalho com a madeira exige mais do que aquele realizado com metais. Delicada, não aceita soldas ou consertos. Interage com o designer e muitas vezes surpreende..." (Pepe Torras)

pepetorras@pepetorras.com.br



Voltar ao index