PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br


ÉTICA NAS EMPRESAS


Sergio Hortmann (*)





outubro / 2005

Nesta coluna, vamos abordar um tema atualíssimo e muito importante para o desenvolvimento e a credibilidade de uma empresa no mercado. É passada a hora das empresas investirem na conduta ética em suas empresas, para garantir sua sustentabilidade no mercado.

Atualmente, para que uma empresa possa adquirir e garantir credibilidade junto ao mercado, não basta somente oferecer produtos ou serviços de qualidade, preços competitivos e obter exposição na mídia. Embora estes fatores sejam fundamentais e os consumidores estejam cada vez mais exigentes, a conquista da credibilidade junto ao público exige mais, pois engloba outros fatores tão cruciais quanto os primeiros. A ética é, com certeza, um destes principais itens.

O ambiente empresarial se encontra em constante mudança e aqueles empresários mais preparados devem enxergar a necessidade de acompanhar os novos tempos. Passamos por algumas fases, onde a modernidade nos trouxe a necessidade da obtenção da qualidade, através da ISO-9000. Depois, passamos à preocupação com o meio ambiente, que introduziu a ISO-14000 e, nas palavras do Prof. Dr. Wander Moreira, professor de Ética Empresarial do Centro Universitário UNA, chegamos à época da ISO-Ética.

Não existe, na grande maioria das empresas, a preocupação com a ética sistematizada para a organização. Existe a necessidade da preparação de um Código de Ética, que seja seguido por todos os colaboradores da empresa e seus fornecedores. A prática de pagamento de baixos salários, em detrimento de gastos exorbitantes com festas e doações a campanhas diversas não é uma conduta ética aceitável, pois o mercado enxerga esta disparidade. Outro ponto a ser citado é a prática de achacar um fornecedor, fazendo com que ofereça preços inferiores à justiça de padrão de produtos ou serviços que oferece. Esta prática irá fazer por aniquilar a capacidade de manter produtos ou serviços de padrões aceitáveis e estaremos assistindo à deterioração do mercado fornecedor.

Criar e implantar de maneira rigorosa o Código de Ética na empresa aufere a esta uma imagem de preocupação com o bem estar dos trabalhadores, dos fornecedores, dos clientes e da comunidade em que se encontra inserida e aufere aos produtos e serviços da empresa uma simpatia por parte do mercado, fazendo com que esta garanta ou aumente seu market share.

Para reflexão e comprovação de minhas palavras, analisemos nosso próprio comportamento como consumidores, ao escolher entre adquirir produtos ou serviços de uma empresa que é reconhecida no mercado como detentora de padrões éticos e responsáveis e de outra que fere os princípios da ética e da responsabilidade social para colocar seus produtos ou serviços no mercado. Com quem você negociaria?

O tema, apesar de importante e atual, é desconhecido pela maioria dos empresários, que não sabem nem mesmo como começar a lidar com o assunto. Existem instituições especializadas no desenvolvimento e implantação de um Programa de Ética nas empresas, tais como a Fundação e Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Social (Fides), Centro de Estudo de Ética nas Organizações, composto por alunos e professores da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social.

Ainda que não implante neste momento um programa de ética na empresa, é chegada a hora de rever atitudes e compromissos empresariais, onde a ética não tenha presença constante. Estamos assistindo a uma deterioração do mercado, onde a cada dia escândalos gigantescos são mostrados na mídia. O ser humano deve dosar a ambição, que não é pejorativa, com condutas éticas. Empresas devem dar retorno financeiro a seus acionistas, mas o lucro selvagem deteriora o ambiente empresarial, pois pode-se e deve-se alcançar sucesso baseado em padrões de conduta socialmente responsáveis. Vamos implantar em nossas empresas o mesmo padrão de conduta que ensinamos a nossos filhos. Somente assim teremos um mercado amplo, seleto e condizente com as necessidades e anseios do consumidor.


(*) Sergio R. Hortmann
- Consultor em Comércio Exterior, Marketing Empresarial e Planejamento Estratégico, Sócio-proprietário da AH Internacional Ltda. Exportação, Importação e Consultoria, ministra também cursos e palestras para empresas do setor.
 

Artigo anterior / Próximo Artigo

Índice