PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br


TERCEIRIZAÇÃO DA EXPORTAÇÃO OU IMPORTAÇÃO


Sergio Hortmann (*)





fevereiro / 2007

Terceirização é uma forma de agregação de valores a determinado produto ou serviço, com especialização de atividades. Terceirizar produção, serviços em geral, administração, logística, importação ou exportação, além de ser viável sob o ponto de vista econômico-financeiro, sugere o aumento da qualidade na "entrega" da responsabilidade de execução a especialistas em determinada atividade.

Assim como se terceiriza para se reduzir custos de contratação de mão-de-obra e encargos sociais, também se faz para delegar operações que fazem parte das atividades empresariais inerentes a especialistas que, se contratados sob o regime de vínculo empregatício, poderiam custar muito mais para as empresas. Com isso usualmente se obtém maior eficácia, resultando no aumento da produtividade (para qualquer ramo de atividade) e majoração da lucratividade da empresa. Se considerarmos então a eliminação de prejuízos com retrabalho ou ainda o desvio de funcionários-chave ou executivos da empresa para cuidar de operações diversas às suas funções, por si só a terceirização se faz vencedora por nocaute em primeiro round

Nas operações de importação ou exportação isso não é diferente. Poderia encher páginas com diversos fatores que incentivam à terceirização das atividades de comércio internacional, mas cito abaixo os principais:

- Complexidade e abundância de decretos, leis, portarias, instruções normativas e resoluções concernentes ao comércio exterior;
- Grau de responsabilidade e conhecimento para a correta classificação de mercadorias;
- Burocracias dos processos;
- Anuências de órgãos ineficientes da administração pública, que entravam as atividades empresariais;
- Interpretação técnica de exigências impostas em atividades de comércio exterior;
- Diversidade de idiomas estrangeiros;
- Conhecimentos da cultura de outros povos;
- Redução de custos operacionais e administrativos;
- Aumento da produtividade;
- Maior rapidez nas operações;
- Dedicação de funcionários e executivos a atividades mais importantes e lucrativas;
- Possibilidade de delegação de responsabilidades e deveres.
 
A contratação de empresas comerciais importadoras e exportadoras (ECE's) para a execução de operações de comércio internacional representa, então, uma das possibilidades de obtenção de melhores resultados para as empresas. A vantagem de operar com ECE's na exportação é a manutenção de incentivos creditícios, ou seja, a possibilidade de se ter direito a isenções de tributos, como se exportando diretamente esta empresa estivesse. Logicamente existem exigências para que estes incentivos sejam concedidos, amparados em legislações estaduais próprias (não incidência de ICMS) e federais (imunidade de IPI e isenção de PIS e COFINS). Entretanto, toda ECE está apta a oferecer estes incentivos a seus clientes, pois isto provoca o crescimento sustentado da economia e traz ganhos de escala para o País.


(*) Sergio R. Hortmann
- Consultor em Comércio Exterior, Marketing Empresarial e Planejamento Estratégico, Sócio-proprietário da AH Internacional Ltda. Exportação, Importação e Consultoria, ministra também cursos e palestras para empresas do setor.
 

Artigo anterior / Próximo artigo

Índice