PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br



SEGUROS PARA JOALHEIROS


*Eduardo de Aizenstein



março / 2015

Infelizmente não é nenhuma novidade o aumento do índice de furtos e roubos de joias e relógios, tanto para peças de uso pessoal, como para estoques de negócios do ramo.

O crescimento das ocorrências no setor, noticiado com frequência pela mídia, se dá por inúmeras razões. Podemos citar dois importantes motivos: um deles é que, com o aumento do poder aquisitivo, o mercado consumidor de joias e relógios também cresceu. Outro motivo é a repressão ao tráfico de drogas no país, mais especificamente em algumas regiões, o que tem feito bandidos migrarem para outros tipos de crimes. Joias e gemas são atrativas devido ao alto valor agregado.

Em tese, seguros para joalheiros sempre existiram, mas as seguradoras não aceitavam contratar este tipo de apólice por julgar um “risco ruim".

Há alguns anos, a corretora Shilton oferece a seus clientes seguros para joias pessoais e para empresas do setor joalheiro. Porém, desde 2014, os varejistas passaram a contar também com um seguro simplificado e exclusivo, que cobre roubo/furto qualificado de joalherias e relojoarias.

A modalidade foi desenvolvida pela Shilton em parceria com a Allianz, um dos maiores grupos seguradores do mundo. A cotação é gratuita, simples e rápida, e inclui complemento às coberturas já existentes, como incêndio, danos elétricos, tumultos e outras.

O seguro custa muito menos do que os empresários pensam. O que se verifica é que, após fazerem a cotação do seguro para seu estabelecimento, normalmente eles se surpreendem com um valor inferior ao que imaginavam.

Muitas empresas contrataram seguros somente após sofrerem assaltos, pois simplesmente não haviam se preocupado com o tema antes do evento catastrófico. Prevenir é muito mais barato do que ter grande prejuízo financeiro, quase sempre vultuoso...

 


* Eduardo de Aizenstein é formado em Análise de Sistemas, atua no ramo de seguros empresariais desde 1989, e no atendimento a joalheiros e mercado de luxo desde 1996. É sócio-proprietário da Shilton (www.shilton.com.br).


<< Voltar para o índice de artigos